quinta-feira, 22 de março de 2007

Mal de palco

Lu Minami

Ouvindo: Steady as she goes, The Racounteurs

Parece uma eternidade. Todos os segundos entre ver você pela última vez antes de pegar no sono e o segundo que vou te olhar antes de sentir aquela explosão de fogos de artifício dentro de mim.

Penso em todas as possibilidades de felicidades e as de decepção que as acompanham no pacote todo que uma boa história precisa. E quando eu te vejo no palco, menino... com sua voz arranhada quase beijando aquele microfone, penso no quanto seria doloroso passar as mãos nos teus cabelos encaracolados de novo. A propósito, gosto quando você deixa a barba e o cabelo crescerem, na vã tentativa de parecer rebelde. Algo dentro de mim me convence de que eu posso ficar mais tempo com o meu rosto colado neles. Do meu estomago voam borboletas para fofocar tudo o que sinto no seu ouvido, bem ali... entre as duas mechas de cabelo que eu amo.

Daquele dia que te vi a primeira vez em diante esperei você me chamar de novo para visitar seu sofá verde de couro gasto, que fica em cima daquela pilha de discos velhos e clássicos que só você tem. E tantas vezes aquela estante foi balançada e as paredes foram arranhadas, que era impossível não cantarmos no mesmo timbre e tom de voz. Até descobrir que eu gostaria de ser um clássico na sua pilha. Aquele disco que você ama e responde às entrevistas como sendo a sua grande influência e referência de vida. Como um bom livro de cabeceira, cheio de viagens interiores e filosofias valiosas de bar. De bar em bar.

Quando eu descobri que queria ser isso na sua vida, pensei com ternura nas minhas próprias pilhas de discos e livros. E me lembrei de que os clássicos da minha vida podem até me guiar, mas nunca vão me dar o sangue novo que preciso para renovar meu espírito louco e com sede de vida nova. Nada substitui a eterna ânsia de ouvir algo novo, na esperança de que possam substituir ou tornar-se ou ocupar um dia a mesma prateleira de um bom e velho clássico.

Mas os clássicos de verdade viram boas companhias.
Como nós dois somos: bons e velhos amigos.

4 comentários:

Jú disse...

ai que dor!

Sérgio, Tiago e Raphael disse...

Chega de dor Lú...

Vamos GRITAR!!!!!!!!!!!!!!!!!

Lu disse...

Baby... i´ve screaming a lot on the past few weeks.

rs... awsome.
No pain, no gain...

beijo
Lu

Sunset disse...

"puta que pariu" é o menor dos elogios que posso oferecer. Tou bege

Site Meter