quarta-feira, 25 de abril de 2007

Olha

Lu Minami

Ouvindo: Come rain or come shine
(Juliette Lewis and The Licks)

Olha eu ali de novo.
Bonita, de franja nova, sapatos novos e gloss brilhante. Olha eu querendo parar de fumar, mas fumando escondida de mim mesma. Olha eu achando que sei alguma coisa de vinho, só porque consigo combinar com uns pratos bestas. Olha eu de mesmos amigos e amigos novos. Olha eu ali, procurando um olhar de novo, que me faça tremer. Olha eu ali de volta, com os olhos de gato triste desejando o palco e um desconhecido qualquer que canta bem Chico. Olha ali... cantando verdades de mentira.

Olha ali, na mesa cheia de gargalhadas e de encostos das cadeiras lotados de costas cansadas... olha as minhas mãos procurando alguma coisa no vazio. Olha eu encontrando uma mão que só quer passear por debaixo das minhas saias. Nenhuma mão companheira que me leve à algum lugar feliz, mesmo que imaginário, guardado dentro de algum baú envelhecido da infância. Nenhum pé que acompanhe meus passos por entre alamedas lajeadas de intenções sorridentes e laranjas.

Olha meu olho se apertando de tanto rir para depois fechar de tanto chorar de cansaço. Olha eu, gritando, palpitando, discordando, sendo boa com as palavras e esbofeteando com sacadas geniais quem não merece nada. Ou que merecia tudo. Olha eu quieta, em silêncio desesperado.

Olha eu aceitando sair com aquele mesmo amigo só para fazer sexo vazio e sem carinho que mal merece um olhar recíproco ou um beijo de olhos fechados. Olha ele sem me ligar no dia seguinte porque a gente é amigo demais e ele acha que não preciso disso. Olha eu bêbada esparramada pela minha cama nova, enorme, abraçando um corpo gelado que não enxergo.

Olha meus amigos dizendo que a vida tem mais é que ser uma aventura sem fim, brindando toda a magia que ela traz. Olha eu fugindo deles, querendo na verdade segui-los por toda a vida, mesmo sabendo que há um fim nisso tudo. Ali, naquele mesmo lugar de pedra, cheio de responsabilidades.

Olha eu encantada de novo, em busca do amor. Olha eu, querendo amor me debruçando na varanda perigosa de uma paixão que nem quer que eu jogue as tranças.

Olha eu me contradizendo para variar. Olha eu, sentada como menina, de joelhos ralados na porta de casa, porque esqueci as chaves e caí da bicicleta. Olha eu de vestido, salto e relatórios de trabalho. Olha eu querendo uma tatuagem e novos cabelos vermelhos.
Olha eu, querendo tingir o mundo e fingir que durmo.


Olha bem, porque amanhã tudo vai mudar de novo.

6 comentários:

jú disse...

e olha eu aqui de novo concordando com td oq vc tá dizendo...rs

e to mesmo pensando em fazer uma nova tattoo, mas ta dificil escolher o desenho...

catzo passei dez anos pra escolher um gatinho, quero só ver qto tempo vou levar pra definir o resto...

bjo

camila_vicencio disse...

Porra...me perdoe a invasão...mas...adorei... cada palavra, cada frase...parece que aquilo tudo que estava guardado em mim... finalmente saiu, com toda classe que não me é peculiar...rsrs, vc é boa mesmo!! Já me disse o nosso amigo "plágio"...

Sorte garota!!!

PS: Ando passeando por aqui...tenho encontrado muita coisa bacana...muuuuuita mesmo!!!

Desafinado disse...

Ói nóis aqui trá veiz!!!

Vê se aparece.

Passargada Square disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Passargada Square disse...

Vim aqui de novo olhar seu texto, Lulu. E me encheu de lágrias os olhos...
Tenho muito orgulho dessa pessoa chamada Luciana Minami.
Até parece que seus defeitos e erros ficam bonitos com jeito que vc coloca as palavras!

Sunset disse...

nossa, lu

Site Meter