quinta-feira, 12 de abril de 2007

Antes o atrito que o contrato.

Lu Minami

Ouvindo: Celos
(Gotan Project)

Era assim mesmo, no meio da festa e da fumaça, ela nem pensou quando entrou no carro dele.
“Puta madrugada linda”, ele disse sem olhar para ela, se debruçando no volante para olhar o céu encoberto.
Enquanto ela punha o cinto, ele já pousava as mãos quase rudes em sua perna e alisava a dobrinha debaixo do joelho com o polegar. Ela tremeu.
“Frio, não?” e uma risada.

Rodrigo, Henrique, André? Havia esquecido o nome do cara!
Desconfiava que ele também não lembrava do seu a essa altura. Uma dor de cabeça leve começou a incomoda-la. Era o inicio da ressaca.
“Tem bebida no seu apartamento?”
“Claro que sim. Tranqüilo”

Sua cabeça gotejou só um fio de suor frio pela nuca quando ela virou o copo de vinho branco gelado que ele lhe ofereceu. Ele a procurou por trás e a abraçou. Dançaram e ficaram juntos por toda a noite. Passaram pelas fases de encantamento e ebriedade, quando seus dois pares de olhos se perderam dentro de suas bocas, buscando um céu a contemplar. Partiram para o momento de calor e descontrole, onde se xingaram e se odiaram. Nesse momento ela quis ir embora e ele quase a expulsou 14 andares abaixo. Se estapearam, pressionados junto à parede e fizeram as pazes na cozinha americana dele.

“Era para a gente viver e se divertir, não é? Ah, oras.... vai lá, moça. Vá rir, dançar até cair, beijar, abraçar, trepar loucamente, apaixonar-se, beber, fumar, enfim.... me mandaram fazer isso para espantar a dor de uma pureza sem significado. Vai lá, larga essa vida de cultura e conteúdo; essa vidinha de espera mal resolvida com uma caricatura de príncipe desencantado. Ninguém te olha por isso, você tem mesmo é um par de seios lindos e pernas que deveriam viver abertas”

Eram as vozes que gritavam e ela que só balançava a cabeça concordando e dizendo sim em voz alta para elas.

O Rodrigo, Henrique ou André a abraçou longamente e beijou-a na testa. Dançou abraçado com ela e pronunciou seu nome sem engano. Ela olhou para aqueles olhos verdes decididos e sorriu. Lembrou-se do nome, finalmente... não era nenhum dos três que ela imaginou. Aninhou-se naquele peito grande e teve o melhor dos seus últimos sonos. E achou que poderia ficar ali por mais algum tempo.

“Puta madrugada linda”

5 comentários:

Jú Mancin disse...

Putamerda! rs

Eu tb lembrei o nome...rs

Que post animaaaal!

Clap, clap, clap, clap!

Desafinado disse...

"...você tem mesmo é um par de seios lindos e pernas que deveriam viver abertas."

Parabéns!!!

Carol disse...

Liiiiiindo!!! Não preciso deizer mais nada....
Bjs, Carol

Lu disse...

Po, desafinado, finalmente vc resolveu comentar um post meu!

Tava sentindo falta já!

rs...
beijo!
Lu

Desafinado disse...

É nóis!

Site Meter