sexta-feira, 27 de novembro de 2009

.´round midnight.

ju mancin

d °_° b super sex, morphine

mais um daqueles cenários. vermelho. quase ácido. o disco me lembra de um lugar onde eu nunca estive. um tempo em que eu nunca fui. kerouac talvez. ácido. como bukowski. nas paredes o papel parece dançar o estranho bebop batucado entre um piano, o sax e um trompete desafiador. um jazz-merengue. sou de lugar nenhum. daqui mais do que nunca. meus dedos deslizam livremente num papel de pão, envelhecido em fumaça e solidão. na ânsia do teu nome. curto. certo. longe. êxtase. louco. imbecil. tudo. torto. insubstituível. ontem. nada! um incansável "cale-se". um transbordante cálice. coltrane e o trem azul. meu lápis adormece, embriagado…

3 comentários:

Dasafinado disse...

não diria triste, talvez melancólico. com saudade afetiva quem sabe.

desafinado.

Daniel disse...

Tem coisa melhor do que a embriaguez poética?

Jú, acho que vai gostar da minha postagem.
Beijos

Diana F. disse...

Fiquei bebada! pq somos assim!... se transportamos para um mundo "pequeno" real que não existe!?

Site Meter