quarta-feira, 18 de março de 2009

Condominio [existencial]

Lu Minami

Ouvindo: Balada do Asfalto

(Zeca Baleiro)


No meio da cidade. No centro de tudo, síndica de mim mesma, uma confusão dos diabos.

 

O amor e seu otimismo irritantes querendo aparecer, o ódio e sua insistência chata querendo se esconder no alto do 9o andar. O garoto inteligente que continua a ler seu livro só para ter o que contestar, ter o que não acreditar.

 

Um sobe e desce pelas escadas de emergência, incêndio, dilúvio, acabou a luz.

 

De esperança, resta pouco-quase-nada nas residências. A vizinha do 4o andar, louca de desejo por um beijo que signifique algo, mira suas paredes vazias. O outro rapaz, do 8o andar querendo solidão, um pouco calada, disfarçada de amargor, esboça alguns desenhos na parede coberta de limo. A menina com rabo de cavalo ruivo do 7o andar, olha para seus brinquedos e pensa numa solução para não brincar mais sozinha, sonha em dividir seus brinquedos e livros de figuras. Lembra-se então, com um sorriso banguela, de seus amigos imaginários que moram em seu armário embutido.

 

No térreo, pé no chão e um pouco de desordem. Uns querendo morar no subsolo esperam as escadas liberarem para descerem de mala e cuia para o buraco da garagem, seus buracos. Outros resolvem que preferem morar no terraço que fica no topo do prédio e que funciona como heliporto, esperando a salvação de alguma corda, de algum vento, arrancando as redinhas de proteção para sentir o perigo soprar-lhes no ouvido.

 

E assim, no meio da baderna, o moço bonito e perfumado que ninguém ousa chegar perto e que mora no 13o andar chora calado no elevador enguiçado e escuro, pensando em sua mãe, enquanto a morena sexy do 20o andar pensa numa maneira de atingir o poço do elevador. Calada e decidida. 

 

O zelador não se preocupa. Há tanto para limpar, sujeiras esperando serem recolhidas, janelas que precisam ser lavadas, piscinas que precisam trocar sua água, enquanto o café pinga paciente na cafeteira branca. Para ele, só lhe resta de útil a vassoura para varrer longe tudo que não serve mais.

 

As esperas todas jogadas pela janela fazem uma bonita chuva de papel picado e acinzentado. A velha mulher do 5o andar liberta seus canários pela janela e, com medo do fim do mundo ter chegado, olha com carinho para o retrato do seu falecido filho e se arremessa lá de cima junto com as asinhas amarelas. Cai macio na grama, sem barulho, sem dor. Enquanto isso, a moça triste do 4o andar ainda olha as paredes sem prestar atenção no que acontece em suas janelas.

 

As crianças brincam no playground, não notam a velha caída e continuam com suas brincadeiras antigas. Sentem falta das suas mães, mas a brincadeira é melhor e sabem elas que suas mãezinhas as esperam no salão de festas, ocupadas com a vida umas das outras.

 

De repente, alguém se lembra.

 

Cacete, e a síndica?

 

Zelosa com seus moradores, respira aliviada, recostada na rede branca de sua varanda.

 

Finalmente, tudo voltou ao normal nesse edifício.

 

 

 

Me dê um beijo, meu amor

Só eu vejo o mundo com meus olhos

Me dê um beijo, meu amor

Hoje eu tenho cem anos, hoje eu tenho cem anos

 

E meu coração bate como um pandeiro num samba dobrado

Vou pisando asfalto entre os automóveis

Mesmo o mais sozinho nunca fica só

Sempre haverá um idiota ao redor

 

[Não é que eu ache que o mundo tenha salvação. A alma é o segredo do negócio]

 

6 comentários:

ju mancin disse...

um caos vertical!

adorei!

Arlequim disse...

Caraca! Você escreve muito bem; adorei aqui e adoro zeca baleiro. Beijos

Vadio de sempre disse...

Fudido, dona Lu!

Clap
Clap
Clap

Daniel disse...

Nossa, eu já estava até agoniado
Descreveu o que ocorreria aqui no meu condomínio se fosse o fim do mundo.

Pode até ter outro significado a você, mas é o máximo que consigo interpretar.

Jú, a chuva na minha postagem que você comentou por último representa sim o caos, mas nesse sentindo que temos visto pela tv. Mas na verdade eu amo chuva e a nostalgia que ela nos trás através da janela.

Beijossss

Anônimo disse...

Todo sindico é confuso e meio triste.

Igual você, rabugenta e toda essa coisa atrapalhada que pula, da cabeça para a caneta. Da caneta para o papel. Do papel direto para a minha cabeça.

Confusao do caralho!

Polinesio disse...

Finalmente, hein Japa.
Muito bom.
Beijos

Site Meter