quinta-feira, 4 de março de 2010

je t’aime… moi non plus

ju mancin

d°_°b intoxicated man, serge gainsbourg

é que às vezes, na falta do que falar eu falo.

e outras vezes, quando há muito a dizer, eu calo.

hoje me contento com a música que canta aqui dentro, ao redor, em toda parte…

é como se sol brilhasse de dentro pra fora.

no meu silêncio tem saudade. tem vontade. tem muito mais que mentira e um toque sincero de verdade.

é como se meu silêncio fosse o mais puro dos versos impronunciáveis de um poeta maldito.

meu coração duro de barro seco, se desmancha por um poeta. da vila, do porto, do cais…

quanto vale meu segredo?

tenho mil razões para partir. só uma me faz ficar…

as paredes da nossa casa transparente, pintadas de verso e prosa e cores, que não fossem transparentes, nos rederiam um belíssimo pôr-do-sol!

4 comentários:

Daniel disse...

Jú, lendo sua postagem me lembrei da músiva FALA dos SECOS E MOLHADOS.
Gostei.
Beijos

ju mancin disse...

ai óóó... me lendo e lembrando de Secos e Molhados! seachei! rs

raTo! disse...

nada de tão novo no front!

hum!

Lorena Bobbit disse...

Eu não sei dizer, nada por dizer, então eu escuto.
Eu só vou falar, na hora de falar. Então eu escuto.

Site Meter